terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

O mergulho de Ascari

Ao publicar um post da série Mais Belos Carros by F1 Racing sobre o Lancia D50 , narrei um pequeno trecho sobre o acidente sofrido por Alberto Ascari com esse carro no GP de Mônaco de 1955. Alguns amigos mais novos e desconhecedores da história do acidente me pediram para contar mais detalhadamente o fato ocorrido. Vamos lá então:

O ano era 1955 e o GP de Mônaco era o segundo do calendário, Alberto Ascari - bicampeão pela Ferrari em 1952 e 1953 - foi escolhido por Gianni Lancia para liderar seu projeto de bater os quase invencíveis W196 da Mercedes. O projeto era ambicioso e parecia que renderia frutos , pois o talentosíssimo Ascari liderava com folga a corrida supracitada, quando na volta 80 perdeu o controle de seu Lancia D50 e caiu no Mar Mediterrâneo, como vocês podem perceber na primeira foto (clique nela para aumentá-la) não existiam guard-rails ou muros de contenção que separasse a pista do mar.

O acidente entregou de bandeja a vitória para a Ferrari de Maurice Trintignant, mas Ascari podia comemorar o fato de seu mergulho não ter tido maiores consequências além de um septo nasal fraturado e pequenas escoriações. Ascari ao cair no mar nadou até ser resgatado pelo barco de um espectador e posteriormente levado de ambulância ao hospital local. O carro, conforme atestam as fotos, foi resgatado também.

O acidente, portanto, não foi o pior dos acontecimentos para Ascari e sua equipe Lancia. O pior fato aconteceria quatro dias após o acidente e foi uma implicação direta dele, Ascari queria tirar o trauma psicológico vivido pelo imenso susto de ter sua vida ameaçada pelo insólito mergulho e resolveu dar umas voltas em um Ferrari 750 3.0 litros Sport tomado emprestado de Eugenio Castelloti em Monza - Castellotti treinava com o carro preparando-o para os Mil quilômetros Super Corte Maggiore. Na segunda volta, o supersticioso Ascari que treinava pela primeira vez sem seu inseparável capacete azul - danificado no mergulho - bate a Ferrari na curva Vialone, é projetado cerca de dez metros para fora do carro e morre aos 36 anos , no dia 26 de maio de 1955.

Era o fim da carreira de um dos maiores pilotos da história da Fórmula 1, maior adversário do mito Juan Manuel Fangio. Consternado, Gianni Lancia encerrou todas as atividades esportivas de sua equipe apenas três dias após o terrível acontecimento e repassou seus incríveis Lancia D50 para a Ferrari que sagraria-se campeã com eles no ano seguinte.

A HISTÓRIA DO MERGULHO NO MEDITERRÂNEO - que inspirou uma cena de acidente de Pete Aron no filme GRAND PRIX - e suas consequências ficam aqui registradas então, meus caros, e ilustradas pelas fotos acima e pelos vídeos abaixo (espero que tenha ficado a contento) :

video video

CONFESSO TER SIDO ESTE UM DOS POSTS MAIS DOLOROSOS QUE JÁ EDITEI !!!