sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Os pontos negativos da Fórmula 1 atual



Mark Webber, escudeiro-mor da atual modorrenta e enfadonha Fórmula 1 aposenta seus préstimos neste final de semana em Interlagos e deu a seguinte declaração sobre a chata categoria:

 "Eu não sairia se não houvesse coisas que estou feliz de deixar para trás. Se houvesse mais pontos positivos do que negativos, então obviamente eu ficaria. Há mais pontos negativos do que positivos".


Confesso que esta foi a única notícia que me chamou a atenção sobre Fórmula 1 nestes últimos meses. Desde, sei lá, a oitava ou nona corrida não sei dar notícia alguma sobre as corridas, quem ganhou , quem perdeu, quem isso ou quem aquilo... E isso seria impensável para um outrora fã incondicional da categoria. Tão fã que de 1981 a 2012 deixei de assistir apenas o GP do México de 1986  por culpa de um incidente de viagem.
Quais seriam então os motivos para uma mudança tão radical de postura? Aproveito a oportuna declaração de Webber para enumerar através de pontos negativos os motivos:

1 – A Fórmula 1 tornou-se refém de sua estrutura antidesportiva:

A dupla Ferrari-Schumacher institucionalizou na F-1 moderna a obrigatoriedade da hierarquia de pilotos, onde o piloto principal tem total prioridade sob todos os aspectos em uma disputa. Surgiu assim a figura do piloto-escudeiro, que tem basear toda sua estratégia de corrida, desde o início da temporada, visando o benefício do primeiro piloto, que é o único liberado para realmente lutar por vitórias e títulos. Esta situação criou vários episódios grotescos, tais como: o GP da Áustria de 2002, onde Rubens Barrichello foi obrigado a dar passagem para Schumacher e ambos foram vaiados ostensivamente pelo público presente no autódromo; o GP da Alemanha de 2010, onde Felipe Massa recebeu a famosa ordem “Alonso is faster than you” e teve que dar a vitória de bandeja para o espanhol; e, o pior de todos, o GP de Cingapura de 2008, quando Nelsinho Piquet foi forçado a forjar um acidente para que entrasse o safety car beneficiando Fernando Alonso que liderava em um momento de pit stops sucessivos...
A FIA até tentou criar leis que coibissem as famigeradas “ordens de box”, mas diante da total impossibilidade em aplicá-las, pois as equipes facilmente as driblavam, acabou cedendo a dura realidade estrutural da atual F-1: as equipes determinam o resultado final de uma corrida de acordo com seus interesses pessoais.
Quem em sã consciência está disposto a assistir ou até mesmo torcer para um esporte-“marmelada” ???

2 -  Grids esvaziados:

Como é triste ver um grid de F-1 com apenas 18 carros, são muitos pilotos de talento esperando uma vaga na F-1 com tão poucos assentos disponíveis. Alguém poderia argumentar que estou louco por causa do número supracitado, pois a F-1 tem 22 carros, mas, falando sério, a Marussia e a Caterham são carros de F-1 ???
Sou do tempo em que o grid contava com 26 carros, uns 24 de verdade e uns 2 ruins, mas nenhum deles tão ruim que não almejava absolutamente nada como Marussia e Caterham.

3 – Excesso de pilotos pagantes:

A Fórmula 1 sempre foi cara e sempre teve pilotos pagantes, mas não tanto quanto atualmente. A conseqüência disso é que o nível dos pilotos caiu muito, pilotos bons e capazes de gerar espetáculo são preteridos para dar lugar a cabeças de bagre endinheirados e insossos.

4 – Declínio brutal do fator humano na decisão do resultado final:

Já faz algum tempo que os pilotos vem influenciando cada vez menos nos resultados finais das corridas, mas desde 2010 a tecnologia e a aerodinâmica são as chaves principais para a vitória na F-1. A fórmula do sucesso passa primeiro por um grande aerodinamicista, um staff competente de diretores e engenheiros e dinheiro – muito dinheiro – para pagar a constante evolução tecnológica que a categoria prescinde. Piloto ? Basta ter um bom piloto – apenas bom, não sensacional ou espetacular – que seja rápido o suficiente – não meteórico como Senna foi – para fazer pole positions e que erre pouco para administrar bem uma estratégia vencedora. A conseqüência disso é que deixa de existir a figura do ídolo, do herói que as crianças e jovens sonhariam em se tornar e os marmanjos admirariam e torceriam fervorosamente.


Existem mais fatores negativos que poderiam ser enumerados, mas destaco esses 4 supracitados porque a conjunção deles já demonstra o motivo maior de a Fórmula 1 ter deixado de ser assunto em padarias ou botequins, ter perdido o interesse para a esmagadora maioria das pessoas que gostam de esporte. E é com tristeza que concluo que eu, um antigo fã incondicional da categoria (como disse anteriormente), me sinto órfão de um dos maiores prazeres que tinha na vida.

Dizem que ano que vem a coisa muda... mas, não sei se mudaria a ponto de me fazer gostar tanto quanto eu gostava de Fórmula 1 antigamente.                                

terça-feira, 12 de novembro de 2013

MARAVILHAS NACIONAIS 1 - RURAL WILLYS 1968


E eis que surge a primeira maraviha da coleção Carros Inesquecíveis do Brasil:  RURAL WILLYS 1968. Escolhi esta beldade em forma de carro para estrear a série porque se meu sonho de infância era ter miniaturas de carros nacionais, o maior sonho sempre foi ter uma Rural; como gosto deste carro robusto, alto e imponente !



A Planeta DeAgostini foi muito feliz na escolha das cores para pintar o modelo: mesclou o tradicional saia e blusa com duas cores sóbrias que formaram um lindíssimo contraste entre o marrom café da parte superior suavizado pelo branco sereno utilizado nas partes inferior e teto do carro.


Há de se destacar também o esmerado capricho com que as partes metálicas - rodas, limpadores de para-brisa, molduras dos vidros, etc - e os cromados foram reproduzidos no modelo, tão difíceis de se manufaturar numa escala diminuta como a 1/43.

Para homenagear o artístico trabalho realizado pela Planeta DeAgostini e posterizar nossa admiração por ele, resolvemos - Cássia e eu - compor uma produção fotográfica utilizando temas de fazenda - nada poderia ser mais propício à Rural - com utensílios de nossa coleção particular de antiguidades. As fotos de Cássia Malheiros ficaram soberbas e realçaram ainda mais a beleza do modelo, confiram acima e abaixo (clicando nelas para melhor visualização):


















E, como se tudo isso já não bastasse, a Planeta DeAgostini resolveu dar um toque de maior requinte à miniatura colocando como pano de fundo de seu case (caixinha de acrílico protetora) uma foto sensacional,     que me parece ser do centro histórico da lindíssima cidade fluminense de Paraty. Uma verdadeira cereja do bolo:



OBRIGADO A PLANETA DEAGOSTINI POR REALIZAR UM DOS MEUS MAIORES SONHOS DE MINIATURAS COLECIONÁVEIS E PARABÉNS A CÁSSIA MALHEIROS PELAS FOTOS MARCANTES QUE TANTO A VALORIZARAM !!!

Semana que vem tem mais... Mais uma beldade com produção fotográfica desfilará na série MARAVILHAS DO BRASIL, até lá... 


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Parada Obrigatória

Em 2010 tive o imenso prazer de conhecer a cidade paulista de Franca, exemplo de uma harmônica combinação entre saber priorizar a preservação de seus monumentos e edificações históricas aliada a modernidade observada no seu bem elaborado projeto urbanístico, que conta com várias avenidas largas e vias expressas que ajudam a escoar o trânsito. Mas o que mais me chamou a atenção nesta bela cidade foi um posto de gasolina chamado GALO BRANCO, situado na Avenida Antônio Barbosa Filho, 101. O posto possui um maravilhoso espaço retrô que conta com um belíssimo acervo de antiguidades expostas para apreciação pública. Entre as relíquias do acervo, destacam-se: um Fordinho 29 pick up todo restaurado com o logotipo do posto estilizado em suas portas de acesso a cabine, uma enorme bomba de gasolina com globo no topo com o logotipo clássico da Esso, uma bicicleta de entrega com dois engradados de madeira da Coca Cola, algumas latas de óleo clássicas, uma geladeira de madeira pintada nas cores e com logotipo vintage da Coca Cola, placa de madeira da Esso e O MELHOR DE TUDO: UMA VITRINE REPLETA DE MINIATURAS... O espaço decorativo é simplesmente espetacular, confira nas fotos abaixo (clique nelas para melhor visualização):              









Na vitrine de miniaturas, destaca-se um magnífico diorama de oficina mecânica na escala 1/18:


Indo a Franca, não deixe de conferir esta verdadeira joia incrustada na cidade. Parabéns ao pessoal do Galo Branco pelo bom gosto, o posto de vocês é PARADA OBRIGATÓRIA. Para maiores informações acesse: www.galobranco.com.br    

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Sonho de criança



Em minha infância fui daqueles garotos  que adorava passar boa parte de seu tempo livre brincando com carrinhos de ferro (designação dada por nós às miniaturas de carros na década de 80), comprava-os aos montes e, na maioria do tempo, montava corridas com eles. Os carrinhos eram extremamente simples, do tipo brinquedinho mesmo, feitos por marcas baratas, tais como MAJORETTE e MATCHBOX, que seriam análogas hoje em dia às confeccionadas pela marca HOTWHEELS. E, desde bem pequeno, comecei a notar uma particularidade que muito me incomodava nessas miniaturas: sempre que ia comprar uma nova procurava por um PASSAT, um CHEVETTE ou um CORCEL, carros que minha família tinha na época, mas nunca os encontrava pois os modelos oferecidos eram somente os estrangeiros, quase todos americanos ou europeus. Confesso que carreguei essa frustração até crescer, virar adolescente e me interessar por outras coisas, esquecendo-me momentaneamente dos "carrinhos".

O tempo passou, tornei-me adulto e retomei a paixão de criança quando me deparei com os DIECASTS... nova modalidade de miniaturas, feitas para adultos, com alto grau de sofisticação e detalhamento dos carros oferecidos em escalas diferentes de acordo a atender o gosto de cada um, FOI UMA MARAVILHA me deleitar com todas aquelas verdadeiras réplicas dos carros normais. Comecei minha nova coleção com uma escala grande, 1/18, e comprava apenas carros de Fórmula 1. Modelos marcantes figuraram em minhas prateleiras, tais como a esguia Brabham BT 52  do bicampeonato mundial de Nélson Piquet e a belíssima LOTUS 97T da primeira vitória de Ayrton Senna em 1985. Como meu interesse por Fórmula 1 foi diminuindo à medida que a categoria se deteriorava na capacidade de gerar espetáculos, fui migrando gradativamente para os carros de rua que mais gostava, a escala continuava a mesma 1/18, E QUAL NÃO FOI MINHA ENORME SURPRESA QUANDO ME DEPAREI COM MINHA ANTIGA FRUSTRAÇÃO: CADÊ AS MINIATURAS DE CARROS NACIONAIS ??? Simplesmente não existiam... Tive que contentar então com os mesmos carros estrangeiros de outrora.

Até que num belíssimo dia recebi a grande notícia que o jornal carioca EXTRA faria uma série de miniaturas exclusivamente de carros nacionais. Fiquei exultante num primeiro momento para frustrar-me posteriormente ao tomar conhecimento  que as miniaturas não seguiriam o padrão de escalas para colecionadores, cada um teria um tamanho aleatório e seriam manufaturadas de maneira bem simples, não muito elaboradas (boa parte nem retrovisor lateral tinha). Contentei-me, então, e comprei a coleção inteira de 24 miniaturas, mas o sonho juvenil ainda não estava completamente realizado, ATÉ QUE: SURGE A COLEÇÃO CARROS INESQUECÍVEIS DO BRASIL !!! Um projeto ousado lançado pela editora PLANETA DEAGOSTINI que prometia o lançamento de 50 miniaturas, isso mesmo, CINQUENTA miniaturas diferentes de carros nacionais todas na escala de colecionador 1/43 e acompanhadas de fascículos educativos com a história de cada carro encadernáveis em duas capas duras temáticas. Além de tudo isso, as miniaturas viriam protegidas por cases individuais de acrílico com base e, para quem se tornasse assinante do projeto, 3 brindes seriam oferecidos: 2 miniaturas temáticas, uma ambulância e uma viatura de polícia, mais um diorama de posto de gasolina. Para, finalmente, ver meu sonho de mais de vinte anos realizado bastava assinar a coleção que chegaria mensalmente em meu endereço, a editora manda geralmente 3 miniaturas por mês.

CONCLUSÃO: SONHO REALIZADO, VELHO GAROTO FELIZ !!! Hoje, já possuo 40 miniaturas de carros nacionais, cada uma mais linda do que a outra, decorando as estantes de meu consultório e prateleiras de meu escritório residencial  e espero avidamente a chegada dos modelos restantes. Para celebrar a realização deste sonho publicarei aqui em uma série denominada MARAVILHAS DO BRASIL todas as miniaturas da coleção, com fotos exclusivas tiradas pela excelente fotógrafa CÁSSIA MALHEIROS.

É esperar para conferir: HERE COMES MARAVILHAS DO BRASIL !!! 

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Post pré-corrida: GP da Hungria

Ufa!!! Nem deu tempo de absorver direito as emoções da Alemanha e lá vem o GP da Hungria e, para não perder o costume, semana que antecede corrida é semana de post pré-corrida. Vamos a ele então:

1 - A IMAGEM:

O reencontro de suserano e vassalo.
O ano de 2010 marcou o retorno Michael Schumacher à Fórmula 1 e a expectativa era enorme, muitos acreditavam até em título mundial, uma vez que o alemão guiaria a Mercedes MGP W01, carro que herdava toda a estrutura campeã do mundo de 2009 com o nome de Brawn GP. O ano foi passando e as expectativas se frustavam, pois nem um pódio sequer Schumacher conseguiu. No GP da Hungria, Schumacher reencontra seu antigo vassalo ferrarista Rubens Barrichello, que na época guiava um raquítico Williams FW32, e ambos disputavam a décima posição. Pela posição de pouco destaque disputada e pelas conquistas do passado poderia se imaginar um confronto morno, sem muita empolgação, mas o que se viu foi o que retrata a impressionante imagem escolhida como memória do post. Schumacher - defendendo a décima posição - espremeu tanto Barrichello que quase o fez raspar o muro da reta principal de Hungaroring, e o brasileiro, nem que fosse desta vez, devolveu em um só lance todos os anos de obediência forçada na Ferrari. Para nós, que adoramos uma boa disputa, foi um deleite, uma das manobras mais tresloucadas e acrobáticas da história da Fórmula 1. Sob o ponto de vista de Barrichello, a foto demonstra quão árdua a ultrapassagem se tornou. Barrichello foi corajoso demais.


2 - A MINIATURA:
                  
Com o ressurgimento de Jenson Button na última corrida , nada melhor do que homenageá-lo com a lembrança de sua primeira vitória na Fórmula 1, a bordo de um Honda RA106 no GP da Hungria de 2006. O modelo foi produzido pela MINICHAMPS na escala 1/18 e, para comemorar o primeiro triunfo de Button, a miniatura saiu do padrão normal utilizado, figura do piloto no cockpit com as mãos no volante, e trouxe a figura do piloto de pé com as mão na cintura ao lado do Honda vencedor. Ficou legal, mas teria sido mais interessante se a figura viesse com algum tipo de comemoração representado na figura. De qualquer maneira, a miniatura ficou muito bonita e, sendo de uma escala maior, seu efeito visual é chocante.  
   
                                       

3 - O VÍDEO:

video

O vídeo escolhido é de uma das maiores maldades da história da Fórmula 1 e aconteceu no GP da Hungria de 1997. Damon Hill, campeão do mundo de 1996 pela Williams, transferiu-se para a fraca equipe Arrows no campeonato de 1997. O time era pequeno, o motor Yamaha era fraco, mas o desenho aerodinâmico se mostrou bem sucedido em circuitos travados. Na Hungria Damon Hill conseguiu uma façanha espetacular ao alinhar seu Arrows na terceira posição do grid de largada. Façanha maior ele conquistou na corrida ao ultrapassar o Williams de Jacques Villeneuve e o Ferrari de Michael Schumacher, assumir a liderança e abrir INCRÍVEIS  40 segundos do segundo colocado, Jacques Villeneuve. A 3 voltas do final começa a maldade: Hill balança o carro freneticamente de um lado para o outro tentando, em uma medida desesperada e pouco eficiente, driblar um problema hidráulico que o fazia perder aceleração (o locutor até pensou se tratar de pane seca) e o tornava lentíssimo na pista, mas a vantagem era grande, todo mundo torcia por Hill até começar a última volta... assista ao vídeo e relembre...      

terça-feira, 24 de julho de 2012

GP da Alemanha Highlights - À la Jackie Stewart


O fato de Fernando Alonso ter vencido o GP da Alemanha de ponta a ponta em um campeonato de corridas tão disputadas e cheias de alternância na liderança poderia ser um sinal indicativo de que a corrida alemã foi monótona (reeditando as chatíssimas corridas de 2011), poderia... mas não foi. A corrida foi espetacular, mais uma vez, com disputas intensas e um inspiradíssimo Fernando Alonso controlando a liderança de maneira professoral. O espanhol deu uma aula a seus pupilos de como administrar no momento certo todas as nuances de uma corrida perfeita: um salto rapidíssimo na largada, aceleração máxima para abrir vantagem de seus oponentes, controle absoluto da distância aberta para o segundo colocado dosando o desgaste dos pneus. Em momento algum da corrida os segundos colocados, ora Sebastian Vettel ora Jenson Button, vislumbraram a possibilidade real de assumir a liderança, diminuíam a diferença, até se aproximavam bastante, mas ao confrontar Alonso para tentar uma manobra de ultrapassagem (mesmo utilizando o DRS diversas vezes) este parecia "estilingar" seu carro de forma ultraveloz minando as esperanças dos vice-líderes. Alonso conseguiu mostrar aos espectadores mais jovens como se faz uma corrida maravilhosa sem envolver manobras acrobáticas, como ele mesmo fez em Valência, e reviveu os dias de Jackie Stewart que era um mestre neste tipo de vitórias.  Do que jeito que está guiando, relembrando sempre os maiores ases da velocidade, em Valência lembrou Senna , cavalgará seu cavalo rampante majestosamene rumo ao título pisoteando impiedosamento os touros vermelhos.

GRANDE FERNANDO "STEWART" ALONSO !!!

Foram destaques também do grande prêmio tedesco:

1 - RESSURGIMENTO DE BUTTON:
                 

Até que enfim Button fez uma boa corrida. Depois de vencer a corrida inaugural do atual certame, o inglês apresentou um desempenho horrível, que nada faz lembrar sua grande competência como piloto suave ao tratar do carro e agressivo na disputa por posições. Em Hockenheim porém, Button voltou a ser grande, fazendo belas ultrapassagens foi galgando posições até chegar ao terceiro posto e, a partir daí, soube fazer bom uso de uma grande estratégia bolada por sua equipe e ultrapassou o Red Bull de Sebastian Vettel após a segunda rodada de pit stops. Muitos acreditavam até em vitória, pois Button chegou à posição de ataque contra Fernando Alonso, mas o espanhol estava impecável e não possibilitou a redenção apoteótica de Button. 

2 - EQUIPE McLAREN:
        
2.31 segundos para trocar os quatro pneus de Button em sua segunda parada de boxes... RECORDE INCRIVELMENTE ABSOLUTO na história da Fórmula 1. Depois de tantos erros cometidos em pit stops recentes, a Mclaren se redimiu quebrando o recorde de troca de pneus. A manobra foi preponderante para que Button ganhasse a segunda posição.

3 - QUEDA DE BRAÇOS: FIA X RED BULL: 
   
A FIA - Federação Internacional de Automobilismo - tentou impor sanções à equipe Red Bull poucas horas antes do início da corrida por ter descoberto irregularidades no mapeamento do torque dos motores da equipe austríaca. Não conseguiu por causa da forma como o regulamento está redigido, ou seja, por causa de um erro na redação do texto do regulamento uma equipe foi absolvida de punições - que poderiam ser até exclusão da corrida - mesmo estando fora das especificações técnicas exigidas pela FIA. Liberados, os Red Bull ilegais largaram, e aí, por força do destino, eis que o melhor colocado deles, o número 1 de Sebastian Vettel faz a ultrapassagem da foto acima (clique nela para melhor visualização) utilizando a área de escape asfaltada para ganhar a segunda posição de Jenson Button. A FIA, que por força de uma má redação teve que engolir a presença dos Red Bull no grid, viu nesta manobra a chance se vingar e puniu Vettel com o acréscimo de 20 segundos ao seu tempo final, fazendo-o despencar da segunda para a quinta posição no resultado final da corrida. O curioso é que em 2003 Michael Schumacher, a bordo de um Ferrari, fez a mesma manobra para ultrapassar o Renault de Jarno Trulli e nada aconteceu... 
Na queda de braços entre FIA e Red Bull, a equipe austríaca saiu ganhando ao poder alinhar seus carros ilegais no grid, mas a FIA deu um golpe final restrigindo este ganho. Capítulos novos deste embate ainda se seguirão...  

4 - DUPLA DA SAUBER:
          
Kamui Kobayashi e Sergio Perez foram magistrais na corrida alemã. Prova concreta de que pilotos arrojados quando sabem dosar sua agressividade podem muito bem fazer múltiplas ultrapassagens sem atropelar ou abalroar seus adversários. Talentos como os de Kobayashi e de Pérez, se bem lapidados, podem render os bons frutos necessários para levar a competente equipe Sauber a um lugar de destaque no final da temporada.


SUGESTÃO PARA MINIATURA: McLAREN

O novo pacote aerodinâmico inaugurado pela Mclaren no GP da Alemanha é a sugestão para confecção de uma futura miniatura pois o carro ficou muito bonito, sem o anti-estético bico utilizado pelas outras escuderias do grid, e com algumas charmosas aletas aerodinâmicas situadas sobre as entradas de ar laterais do carro (clique nas fotos para melhor visualização). Para os mais detalhistas uma diferença também pode ser notada no aerofólio traseiro: saiu o costumeiro LUCOZADE e entrou a inscrição MAXIMUSCLE. 


quinta-feira, 19 de julho de 2012

Post pré-corrida: GP da Alemanha

 Para quem não conhece, trata-se de um post que revive momentos de corridas passadas no país específico onde ocorrerá o próximo GP, uma pequena prévia para ir aquecendo os motores de nossa emoção. O post conta sempre três histórias distintas usando para tal UMA IMAGEM, UMA MINIATURA e UM VÍDEO de fatos alusivos ao GP. Explicações dadas, vamos ao post:


1 -A IMAGEM:


Ano de 2010, retorno de Felipe Massa às competições após o acidente sofrido em Hungaroring em 2009. O GP da Alemanha daquele ano marca o melhor desempenho do brasileiro após seu retorno às pistas, Massa liderava a corrida - à frente do segundo colocado Fernando Alonso - quando na quadragésima nona volta, Rob Smedley brada no rádio: "FERNANDO ESTÁ MAIS RÁPIDO QUE VOCÊ ! VOCÊ PODE CONFIRMAR QUE ENTENDEU A MENSAGEM?" , ou seja: permita que seu companheiro de equipe o passe porque ele é mais importante para a Ferrari do que você. O triste episódio do último GP da Alemanha em Hockenheim - em 2011 a corrida foi disputada em Nürburgring - foi escolhido como imagem a ser lembrada do post não pelo fato vergonhoso cometido pela Ferrari, e sim pelo bom humor com que foi tratado pelo site: www.formulatoons.com , que confeccionou duas camisetas, uma com a covarde ordem de equipe traduzida na frase: FERNANDO IS FASTER THAN YOU e a outra ridicularizando a equipe Ferrari através de um cavalinho pangaré sorrindo sem graça e dizendo: EU SOU RIDÍCULO. As camisetas podem ser adquiridas pelo site supra citado e representam uma perspicaz forma de protesto contra as falcatruas mafiosas da Ferrari.
            
2 - A MINIATURA:


A SPARK MODELS eternizou o GP da Alemanha de 1954 - disputado em Nürburgring - com um diecast impressionante de seu vencedor Juan Manuel Fangio a bordo de um Mercedes W196. O que mais impressiona na miniatura é sua extrema riqueza de detalhes em uma escala tão diminuta: 1/43 (clique nas imagens para melhor visualização). 



3 - O VÍDEO:

video

O primeiro grande susto de Ayrton Senna na Fórmula 1: GP da Alemanha de 1984. Senna comenta no vídeo o susto que passou no antigo traçado de Hockenheim - na parte da floresta - logo após a perda do aerofólio traseiro de seu frágil Toleman - Hart TG 184 no comecinho da corrida.  


Boa corrida para todos nós e QUE DEUS NOS AJUDE PARA QUE FALCATRUAS FERRARISTAS NÃO SE REPITAM !!!    

Créditos:
Foto 1: Finalverdict
Foto 2: Formulattons.com
Fotos 3, 4 e 5: Diecastlegends.com
Vídeo: Youtube/tiagoitapolo